INSTRUÇÕES PARA VOAR

2016-03-08 14:51:52


Fotografia: Helder Dias

“Instruções para Voar”, texto inédito de Lídia Jorge, escrito a convite d’A Companhia de Teatro do Algarve (ACTA), estreia a 18 de Março, no Teatro da Trindade, em Lisboa. “Instruções para Voar” estará patente nos dias 18,19, 23, 24 e 26 de Março às 21:30h e às 17h nos dias 20 e 27 do mesmo mês.

Esta peça surge no âmbito do Programa Pegada Cultural - Artes e Educação / Cultural Footprint Program e tem por isso a colaboração do coro dos alunos do Curso de Artes do Espectáculo da Escola Secundária Tomás Cabreira.

“Instruções para Voar” é encenado pela actriz e encenadora Juni Darh, da companhia norueguesa Visjoner Teater. Juni Darh é internacionalmente reconhecida por performances distintas, entre elas “Joan of Arc – Visão Através do Fogo” e “Womans Ibsen”. As suas produções focam-se nos textos clássicos e seguem linhas de representação tradicionais em espaços íntimos e inesperados.

A peça tem cenografia de Jean-Guy Lecat, responsável pelo cenário da peça "À Espera de Godot", encenada por Luís Vicente, também representada no Teatro da Trindade, em Lisboa em Abril de 2014.

A mais recente peça da autoria de Lídia Jorge é interpretada pelos actores Luís Vicente e Elisabete Martins, que dão corpo aos personagens Emil e Laura. Dois desconhecidos que se cruzam num espaço de ninguém, e que desconfiam um do outro, cada um defendendo o que os levou àquele lugar. São duas histórias de vida distintas que se confrontam face ao mesmo destino, tendo permanentemente presente a figura maternal – elemento central no desenvolvimento da narrativa dramática.

....

EMIL
Como é que sabes que eu sou um vagabundo? Conta lá.

LAURA
Não sabes porque sei?

EMIL
Não, não sei.

LAURA
Sabes, sim. Disfarças bem, mas os teus olhos falam por ti. É por saberes isso mesmo que os escondes. Quem pensas que eu sou? Há nos teus olhos uma predisposição para o ataque que os faz brilhar como os do lobo... Medo. Queres atacar porque tens medo que te ataquem. Percebes? Vê-se que hesitas quando um vulto desconhecido se aproxima. Fincas-te nas quatro patas. Serei atacado? Ou ataco eu já? Enquanto não decides, os teus olhos faíscam no escuro... Está descansado, eu venho de mãos livres, não tenciono tirar nada a ninguém.

Página de "Instruções para Voar" no site do Teatro da Trindade
Site da ACTA

Voltar